Séries

Marco Polo: 1ª Temporada (2014)

• Um Game of Thrones asiático

Eis aqui uma das séries mais subestimadas da atualidade.
Marco Polo conta a história do jovem Marco Polo (adoro como as séries ganham nomes criativos, tipo Dexter onde o personagem principal se chama Dexter, House onde o protagonista se chama House e agora Marco Polo também), que se aventura por aí com seu querido pai e vai parar na corte de Kublai, um khan mongol extremamente gordo poderoso que adota um semblante sombrio à primeira vista mas que depois mostra que não é tão mau assim. A trama não é biográfica, o que significa que váááários elementos da história de Marco são simplesmente fictícios.
Para se livrar de problemas maiores por motivos de contrabando, o pai de Marco, Niccolò, deixa o filho na corte de Kublai como prisioneiro (nada como um pai exemplar <3) – um estrangeiro italiano no meio de um bando de mongóis e chineses.
Com isso, Marco é forçado a se virar em terras tão estranhas e com uma cultura tão diferente da ocidental. No começo, ele fica perdido e sem saber o que fazer, mas com o tempo vai se acostumando e passa a fazer parte das intrigas e tramóias daquela corte.
O destaque maior da série é com certeza a fotografia. Não quero parecer aqueles críticos chatos técnicos que desatam a falar dessas coisas que ninguém quer saber, mas eu tenho que admitir: a produção de Marco Polo é sensacional. Cenários de tirar o fôlego, figurinos espetaculares, tudo contribui pra gente se sentir dentro do universo criado pela nossa querida Netflix.
Outro ponto importante são os personagens bem construídos e cativantes.
Em primeiro lugar, Cem Olhos – um monge chinês cego que poderia te derrubar com um simples golpe – brilha simplesmente por ser foda. Na verdade ele é muito mais interessante que isso, claro, mas não é todo dia que a gente vê um cego derrubando dezenas de inimigos (tô achando que a Netflix gosta desse perfil, né Demolidor). Em segundo lugar, Jia Sidao aparece como um ótimo vilão, bastante inteligente e com estratégias muito espertas. O relacionamento entre Marco e Kublai também é muito legal, muito bem construído e legal de se ver. Outros personagens também são atraentes, como Byamba, Ahmad e a Imperatriz Chabi, só pra dizer alguns.
Eu sei que botei no título que a série é tipo Game of Thrones, só que asiático. Porém, brincadeiras à parte, Marco Polo possui uma identidade única e singular. Dizer o contrário é a mesma coisa de dizer que Vikings é um Game of Thrones nórdico.
Se você ainda não começou a acompanhar esta série tão subestimada, minha dica é que dê uma chance a ela. Espero que se surpreenda assim como me surpreendi.

 

~ OBSERVAÇÕES SPOILENTAS: NÃO LEIA A NÃO SER QUE JÁ TENHA VISTO A TEMPORADA INTEIRA. O AVISO ESTÁ DADO ~

 

  • Pô Ahmad, eu confiei em você!!1!11
  • E pensar que eu achava que o Yusuf é que era o cuzão.
  • É realmente muito legal ver a evolução da relação entre o Marco e o Kublai.
  • Eu sei que é a cultura e tal, mas que agonia daquela cena que o Jia Sidao quebra os pés da Ching Ling lá.
  • Sobre o Príncipe Jingim: cara chato, velho.
  • A Imperatriz sempre sabe exatamente como domar o Kublai, é até engraçado.
  • Byamba e Khutulun, melhor casal.
  • Marco sou eu na vida amorosa.
  • Por último: chupa, Sidao!

 

~ FIM DAS OBSERVAÇÕES SPOILENTAS. A PARTIR DAQUI PODE FICAR DE BOA SE VOCÊ AINDA NÃO VIU ~

 

+ Melhor personagem: Cem Olhos
Mano, é um monge cego que pratica kung fu e bate em geral. Pronto.

De boas aqui esperando alguém me derrotar
De boas aqui esperando alguém me derrotar

+ Melhor episódio: S01E10 (“The Heavenly and Primal”)
Um season finale épico pra coroar uma ótima temporada.

Minha cara depois de assistir ao episódio
Minha cara depois de assistir ao episódio

 

Ei, você! Tudo joia? Pois é, eu também tô bem. E já que agora temos intimidade, comenta aí o que cê achou da temporada. Opiniões são sempre bem-vindas, e é importante lembrar que nos comentários spoilers estão liberados. Se você não quiser vê-los, corre logo pra assistir e depois volte aqui, beleza?