Informações

Wiki do Leleco

O primeiro post deste maravilhoso, aclamado e brilhante blog foi justamente uma explicação das avaliações que eu iria dar, dizendo que minhas críticas não são de forma alguma técnicas. Contudo, lá tava bem resumidinho, por isso decidi criar outro post pra falar melhor dos meus critérios, tanto nos filmes quanto nas séries. Em todo pitaco daqui pra frente eu vou colocar o link desse post, caso a pessoa que esteja acessando não conheça direito o meu estilo descolado, risos.
Certo, vamos lá. A ideia original do Pitacos do Leleco na verdade era bem mais humilde. Começou como uma brincadeira entre eu e meu amigo Ricardo, em que nós dois criaríamos contas no Instagram para falar de filmes. “Falar de filmes” não é exatamente a ideia precisa, sendo que a gente só postaria fotos dos longas em questão e colocaríamos o nome, o ano, e quem sabe alguma criticazinha de duas linhas, algo como “bom filme, trata o drama dos personagens de uma forma muito bem feita”.
As contas eram mais pra gente marcar quantos filmes a gente assistiria a partir dali, como se o Instagram fosse um catálogo nosso. Entretanto, eu fui me empolgando e decidi criar uma outra conta para catalogar minhas séries, deixando a outra um pouco de lado. Esta nova conta de séries passou a se chamar Séries do Leleco, enquanto a outra eu nem me lembro do nome.
Tomei a decisão de fazer algo um pouquinho mais elaborado, fazendo uma criticazinha maior, de mais ou menos uns 6 parágrafos, colocando quem foi o melhor personagem e o melhor episódio da temporada. Comecei pela primeira temporada de The Walking Dead, seguindo assim a ordem de séries, criando um padrão. Por exemplo, as minhas três primeiras séries foram The Walking Dead, Prison Break Game of Thrones, nessa ordem. Eu não poderia começar a escrever sobre GoT se não tivesse pelo menos escrito sobre a primeira de TWD Prison Break. Tudo tinha que ter uma ordem certinha, e isso segue até hoje.
As ideias foram crescendo, mas ainda assim eu estava limitado às séries e ao Instagram. Eis que meu irmão mais velho teve a brilhante ideia de me sugerir algo: “por que você não muda o nome pra poder falar de filmes também? Aí coloca algo como Pitacos do Leleco, porque mesmo que seu foco seja as séries, você pode escrever sobre filmes se sentir vontade“. E foi o que eu fiz. A partir dali eu expandi minhas críticas, começando por Batman vs Superman – que inclusive só tem no Instagram, pois fiquei meio com preguiça na época de passar pro blog. Mas vamos seguir a cronologia.
Comecei a fazer posts e mais posts com a ideia de dizer apenas o que um cidadão comum achava. Eu não falava de fotografia, trilha sonora, edição de som, essas coisas de Oscar. Eu nunca quis ser um crítico especializado. Quis somente escrever o que eu achava de séries e filmes de um jeito casual, sem palavras difíceis, como “epítome”, “âmago”, esse tipo de coisa. Isso tudo culminou na ideia do blog, algo que eu não teria feito sem a ajuda do meu irmão mais velho, que foi quem fez todo o layout e é quem continua atualizando a parte visual daqui. Só eu que escrevo tudo, mas é ele que cuida dessa outra parte.
Com a criação do blog, eu percebi que não combinava mais eu fazer criticazinhas de seis parágrafos, então decidi mudar. Sei que foi um risco e que continua sendo, porque de modo geral as pessoas têm preguiça de ler. Por isso, dou uma salva de palmas pra você que chegou até aqui, você é um(a) guerreiro (a).
De qualquer modo, eu esperava que as pessoas fossem ficar com mais preguiça de ler minhas críticas, mas na boa? Eu faço os pitacos porque eu sinto prazer em escrevê-los. Nunca foi minha intenção fazer sucesso, trabalhar em portais famosos e tudo mais, eu só gosto do que faço. Não vou ficar segurando minha escrita por causa disso.
Justamente por esse motivo os pitacos foram ficando mais e mais elaborados. Se você ler a crítica da primeira temporada de The Walking Dead e comparar com sei lá, uma mais recente, você vai perceber que eu mudei muito meu jeito. Ainda fico zoando em todo pitaco, mas também falo sério. Comento sobre as atuações e até mesmo sobre a fotografia de vez em quando, mas a base continua a mesma.
Agora que já fizemos um passeio pela minha rica história digna de prêmios, vou explicar direitinho o modo como eu categorizo tudo e colocar algumas observações, vamos lá:

  • Todo pitaco é arredondado, com uma nota de 0 a 5 Lelecos. Ou seja, as notas possíveis são: 0 Lelecos, 0,5 Lelecos, 1 Leleco, 1,5 Lelecos, 2 Lelecos, 2,5 Lelecos, 3 Lelecos, 3,5 Lelecos, 4 Lelecos, 4,5 Lelecos e 5 Lelecos. Fiz isso pra facilitar minha vida, mas vou até fazer outro post com as notas mais precisas de cada série.
  • Raramente você vai me ver dando uma nota abaixo de 2 Lelecos. Sério, os mais mal avaliados até o fechamento desse post foram Frontier: 1ª Temporada Shadowhunters: 1ª Temporada, ambos com 2,5 Lelecos. A questão é que o negócio pode ser ruim, com atuações tristes e efeitos visuais de dar vontade de morrer, se a história me deixou interessado, mesmo sendo clichê, eu não vou dar uma nota muito baixa. O grande exemplo disso é Scream, uma série que eu tô ligado em todos os defeitos e erros, mas é tão frenética que acabei dando 4,5 pras duas primeiras temporadas.
  • As notas dos filmes são separadas de acordo com o gênero. Ou seja, se eu der 5 Lelecos pra Peppa Pig: O Filme e também dar 5 Lelecos pra Titanic, não quer dizer que os dois são do mesmo nível. Apenas significa que dentro de seus respectivos gêneros, eles foram excelentes.
  • Eu mudo bastante de opinião. Isso quer dizer que vez ou outra eu posso deixar um “edit” no final de algum post, fazendo uma consideração que eu não havia levado em conta antes. 13 Reasons Why foi um exemplo claro disso, porque quando eu assisti fiquei pensando “carai mano, seriezona da porra“, e depois de alguns meses os defeitos foram surgindo. O mesmo aconteceu com Capitão América 3: Guerra Civil, o qual na época eu dei 4,5 Lelecos e hoje daria no máximo 4. No fim das contas, aqui neste blog o que vale é a primeira impressão. Se eu tiver achado espetacular de primeira e depois tiver achado um lixo, vai prevalecer a opinião original, o máximo que farei mesmo será um edit.
  • Pra deixar um negócio mais claro, não é que eu não me importe com as questões técnicas de uma obra, como a fotografia, trilha sonora e afins. Contudo, se o filme não me cativar eu não vou dar uma nota boa só porque ele tem uma técnica bem-feita. Pra mim filme é igual comida, não adianta nada ter o equilíbrio perfeito entre o doce e o salgado se ela não é gostosa.
  • Eu amo quando vocês comentam, sério, mesmo se colocarem somente algo como um joinha ou um simples “top“. Me sinto fodão quando vou responder algum comentário, e realmente é algo que me deixa feliz.
  • Nas partes de “melhor episódio”, nem sempre as imagens que eu escolher serão dos episódios em si. Apenas uma para simbolizar.
  • De vez em quando eu fico um período sem postar, tenho que confessar. Eu dei uma parada nas séries pros pitacos não acumularem, porque quando eu tive a ideia do blog, eu já havia assistido à várias temporadas de várias séries diferentes. Por isso, eu quero primeiro terminar as pendentes e depois voltar com tudo pra esse universo de Netflixes e HBOs. Minha meta (pra depois eu poder dobrar a meta) é de terminar todos os pitacos pendentes até o último dia desse ano de 2017, pra a partir do ano que vem eu colocar em prática algumas novas ideias de posts que eu tô tendo. Atualização: hoje é dia 10 de maio de 2018 e ainda não terminei tudo.
  • Quando comecei a pensar na estrutura das postagens, entrei no dilema: falar ou não falar spoilers? Então surgiu a brilhante ideia de fazer os dois ao mesmo tempo. No corpo principal de cada texto, sempre faço uma crítica sem contar nenhuma revelação da trama, somente a sinopse e as minhas considerações. No final, no entanto, há a parte de “Observações Spoilentas”, que é basicamente eu comentando os principais acontecimentos da temporada ou do filme, com todos os spoilers possíveis. Mais recentemente, criei o campo de “Narração Spoilenta”, que é basicamente eu falando sobre praticamente tudo que acontece. Essa ideia surgiu quando eu comecei a assistir à terceira temporada de Gotham. Sempre que eu via algo, eu anotava em um grupo do WhatsApp os principais pontos pra poder me ajudar na hora de fazer o pitaco, porque com o tempo a gente vai se esquecendo dos detalhes. Foi então que pensei: “por que não fazer uma narração completa pra substituir as principais observações?”. Embora os dois formatos sejam por tópicos, o da Narração Spoilenta talvez tenha a linguagem um pouco diferente, porque eu vou anotando no celular à medida que vou assistindo. Além disso, normalmente ele é bem maior (desculpa por isso), mas é bem descontraído. Nos pitacos, eu vou sempre alternar entre Observações e Narração, provavelmente essa primeira vai aparecer bem mais. Espero que tenha ficado bem explicadinho, mas qualquer dúvida só perguntar nos comentários.


Prêmios do Leleco:

No começo do blog eu sempre coloquei, ao final de cada pitaco, as minhas opiniões acerca do melhor personagem da temporada (ou filme) e o melhor episódio, caso eu estivesse escrevendo sobre uma série. A partir do pitaco da segunda temporada de Sense8, decidi testar mais categorias, introduzindo a de Maior Surpresa. Na sexta temporada de The Walking Dead, adicionei a de Pior Personagem. Já no pitaco da sétima temporada de Game of Thrones abri espaço para a Maior Decepção.
Para deixar claro, todo pitaco de filmes e séries vai contar com o prêmio de Melhor Personagem. Quando o assunto é somente séries, todo pitaco terá o prêmio de Melhor Episódio da temporada. As outras categorias são opcionais: pode ser que eu não coloque nenhuma delas, assim como eu posso colocar todas, ou somente duas, até mesmo uma só. Abaixo vou explicar os critérios de cada categoria.

Melhor personagem: acho que esse é bem óbvio, né. Minha única observação é a de que nem sempre o melhor personagem vai ser o “legal” ou o “carismático”, e sim o mais marcante de uma temporada/filme, podendo ser um vilão particularmente maldoso. De vez em quando, faço uma “menção honrosa” a alguém, caso também tenha ido bem na obra em questão.
Melhor episódio: bem óbvio também. O episódio mais bem escrito, o mais marcante ou o mais frenético. Vai depender da temporada e/ou da série.
Maior evolução: este prêmio é dado a um personagem que melhorou muito de uma temporada ou de um filme pra outro.
Maior surpresa: basicamente o “melhor novo personagem” de uma temporada de série ou filme dentro de uma saga. Antes, englobava também os critérios de “maior evolução”, mas depois resolvi separar em duas categorias diferentes.
Maior decepção: exatamente o oposto da categoria anterior.
Mais subestimado: acho que o nome é autoexplicativo, né. É um prêmio dedicado a um personagem que não é tão valorizado ou que, mesmo discretamente, possui sua importância. Pode se referir também ao mais injustiçado pela própria história.
Mais inútil: o típico personagem que só tá lá porque não sabem o que fazer com ele. Também se encaixa nos que são mal aproveitados pela trama.
Pior personagem: aquele que tiver sido o mais sem graça, o mais mal interpretado ou o mais irritante, no sentido ruim da palavra.

{Nota: pode ser que eu fique louco no futuro e adicione mais categorias. Caso eu faça isso colocarei a explicação aqui também}

 

Acho que é isso. Obrigado, ó pessoa por trás da tela do computador, celular ou tablet, que chegou até o final deste post. E já que agradeci, quero abrir espaço para agradecer todo mundo que me apoiou e que continua o fazendo, como minha mãezinha (que comenta em todos os meus posts, mesmo nunca tendo ouvido falar das séries); meus dois irmãos, o mais velho contribuindo com a parte visual e o mais novo com algumas sugestões, sempre compartilhando meus posts no Facebook; meu pai, por ser meu maior parceiro de séries; todos os meus amigos – Daniel, por ler meus pitacos de American Horror Story Sons of Anarchy; Ricardo, por ter lido meu pitaco de Luke Cage e comentado nele com o codinome de “Silvio Santos”; Ygor, que direto tá lendo aqui também; e por último, Sabrina. Tenho que agradecer muito a ela, por ser a pessoa que mais me apoia e mais me motiva a continuar. Obrigado mesmo, do fundo do meu coraçãozinho pitaqueiro.
Sei que não falei de todo mundo aqui, mas este post já tá grande e eu não quero enjoar vocês. Àqueles que eu não mencionei e que acompanham o site, meu muito obrigado a cada um de vocês. Cês são zika.

Que o Pitaco esteja com vocês.