Séries

Dexter: 2ª Temporada (2007)

• Perseguição ao Açougueiro

Primeiramente, devo lembrar que quem não curtiu a primeira temporada de Dexter é nada mais nada menos que um herege.
Um serial killer com um código, uma policial fodona de personalidade forte, um outro serial killer que na verdade é irmão do serial killer com um código só que sem um código e diversos outros personagens carismáticos. Como não amar?
Dito isso, a segunda temporada começa em alto nível. Certo dia, na brilhante cidade de Miami, nos Estados Unidos da América, alguns mergulhadores estavam lá de boa no mar, somente observando as maravilhas subaquáticas, até que acham vários sacos de corpos depositados no fundo. Sim, os mesmos sacos que nosso amigo Dexter Morgan usou para esconder suas vítimas.
Claro que imediatamente aquilo vira notícia nacional, e com o avanço das investigações os policiais chegam à conclusão de que todos aqueles corpos são o trabalho de provavelmente um só serial killer, considerando o modo com que as vítimas foram cortadas. O serial killer é apelidado pela população geral de Bay Harbor Butcher, algo como o “Açougueiro de Bay Harbor”. Vamos combinar, é um puta apelido de respeito.
A princípio, as pessoas ficam horrorizadas com aquelas mortes, ficando contra o Bay Harbor Butcher. Porém, quando é divulgado que todas as vítimas eram criminosas, o serial killer passa a ser tratado por muitos como uma espécie de justiceiro, um super-herói da cidade(engraçado como as pessoas mudam de opinião tão rapidamente, né).
Mas enfim. Dexter agora deve lidar com seus segredos revelados e eliminar todas as possíveis evidências que liguem as mortes à ele. Além disso, deve lidar com a culpa da morte do irmão na temporada anterior e com os conflitos envolvendo Rita, sua namorada da voz mansa, e os filhos dela, Astor e Cody, duas crianças diabolicamente fofinhas.
Para piorar, o fuckin’ FBI entra na jogada, liderado por Frank Lundy, para averiguar a situação do Bay Harbor Butcher, iniciando uma investigação para prender o dito cujo. E para deixar ainda mais chato, o Sargento Doakes agora está completamente obcecado por Dexter, deixando seu caminho muito mais complicado.
Este enredo de perseguição é muito legal, e desde o primeiro episódio a temporada diz a que veio, com bastante ação e uma trama bem feita. Debra Morgan evolui pra caramba aqui, se tornando uma das peças-chave da história ao lado do próprio irmão, que inclusive carrega o nome da série, risos. Angel Batista, Maria LaGuerta, Masuka e outros continuam ativos e vão ganhando cada vez mais destaque.
Obviamente, novos personagens são apresentados. Além de Frank Lundy, uma nova mulher entra na jogada: Lila Tournay, uma ex-drogada que passa a apadrinhar Dexter (não vou dar muitos detalhes por motivos de spoilers). Lila se torna uma personagem central da história, e suas ações vão afetando cada vez mais pessoas do círculo do protagonista.
Harry Morgan continua lá nas alucinações do filho, agora com sua história um pouco mais aprofundada do que antes. Ele é um elemento que dá um charme a mais à série, mostrando as motivações e o código de conduta de Dexter.
A maneira com que o psicopata concilia suas atividades familiares, profissionais, isso sem contar os assassinatos, é estranhamente fascinante de se ver. Sua personalidade esquisita e deslocada acaba sendo também um ponto positivo que nos faz simpatizar com um serial killer. Controverso, eu sei.
Como um todo, o segundo ano de Dexter fica um pouco atrás do primeiro. Muitos consideram os dois no mesmo nível, mas embora eu concorde que a segunda temporada é espetacular, consegui achar a primeira ainda mais genial. Contudo, o que importa mesmo é que vale a pena continuar com a série, mesmo com tanta gente na internet criticando o final da mesmaSó vendo pra saber.

 

~ OBSERVAÇÕES SPOILENTAS: NÃO LEIA A NÃO SER QUE JÁ TENHA VISTO A TEMPORADA INTEIRA. O AVISO ESTÁ DADO ~

 

  • Você pode até ser maluco, mas nunca chegará ao nível de Lila.
  • A morte do Doakes foi tensa demais,mas pelo menos resolveu os problemas do Dexter, né. Meu Deus, olha o jeito que já tô pensando.
  • Dexter claramente não fez aulas de PROERD.
  • A mãe da Rita dando sermão no Dexter foi sensacional, por falar nisso. Ah, se ela soubesse…
  • Paul já foi tarde, falo mesmo.
  • Fiquei até com pena do Doakes quando a La Guerta foi a única a ir em seu funeral.
  • Batista pensando somente com a cabeça de baixo, coitado.
  • Debra e Lundy, único casal possível.
  • E pensar que o Harry não aguentou a pressão apesar de tudo.
  • SURPRISE, MOTHERFUCKER! FRENCH FRIES, MOTHERFUCKER! NOBEL PRIZE, MOTHERFUCKER!
  • Desculpa, me empolguei.
  • Lila sendo morta por Dexter no final: que delícia, cara.

 

~ FIM DAS OBSERVAÇÕES SPOILENTAS. A PARTIR DAQUI PODE FICAR DE BOA SE VOCÊ AINDA NÃO VIU ~

 

+ Melhor personagem: Dexter Morgan
Sim, de novo. Apesar da crescente evolução de Deb, o protagonista continua sendo de longe o personagem mais interessante da série.

Quando você se acha tão bonito que faz uma pintura de si mesmo

+ Melhor episódio: S02E12 (“The British Invasion”)
Apesar do episódio 9 também ser icônico, fico com a season finale por causa do desfecho memorável.

Quando sua mãe pede pra você comprar pão, você compra um monte de besteira e esquece do próprio pão
Quando sua mãe pede pra você comprar pão, cê vai lá e compra um monte de besteira e esquece do próprio pão

 

Ei, você! Tudo joia? Pois é, eu também tô bem. E já que agora temos intimidade, comenta aí o que cê achou da temporada. Opiniões são sempre bem-vindas, e é importante lembrar que nos comentários spoilers estão liberados. Se você não quiser vê-los, corre logo pra assistir e depois volte aqui, beleza?