Séries

Vikings: 4ª Temporada (2016/17)

• Meio a meio

A quarta temporada de Vikings é ao mesmo tempo a pior e a melhor da série.
Pra quem já leu os meus pitacos das três primeiras temporadas, sabe que o que eu achava melhor em Vikings era a falta de enrolação. Com apenas 10 episódios, as tramas não ficavam arrastadas e em todo momento havia algum conflito, alguma ação, algum guerreiro ensanguentado sem camisa, nunca a história ficava monótona. E é justamente por isso que sou extremamente a favor de temporadas com menos episódios, ao contrário de algumas séries por aí que insistem em 489038530 capítulos por ano.
A quarta temporada de Vikings possui 20 episódios. Assim que saiu o anúncio deste aumento, já me desanimei um pouco e previ (sim, eu sou um vidente) que ela não seria tão boa quanto as outras. Pois bem, em partes eu acertei, porque sou foda. A primeira metade é uma enrolação tão grande que me fez ter vontade de ir pra Valhalla cear com os deuses. Ragnar passou a ser um inimigo do Proerd (sem mais detalhes pra não spoilar demais) e a todo momento a série voltava ao núcleo de Wessex, antes interessante, agora um porre.
Tenho que deixar claro que acho o Rei Ecbert um dos melhores personagens de Vikings. Contudo, ele só funciona bem porque é meio que uma contraparte do próprio Ragnar, uma versão inglesa e mais refinada do viking. Já aqui na quarta temporada, tentaram sustentar todo um arco somente com ele, Judith, e aqueles outros que ninguém liga muito, como a princesa Kwenthrith e o príncipe Aethelwulf. Estes dois últimos são tão nhe que até o nome deles é chatão.
O problema real é que Vikings tentou transformar personagens secundários em protagonistas. Não, cara. É mais ou menos como se você pegasse uma temporada de Game of Thrones e focasse só no Samwell Tarly. É um personagem que eu gosto, mas ele não sustenta sozinho uma trama; é mais ou menos como se você pegasse o Justiceiro de Demolidor e fizesse uma temporada só dele. Brincadeira, gente, eu tô animado pra caralho pra isso.
Ainda que a primeira metade tenha momentos legais, principalmente com Bjorn, ela fica extremamente abaixo das três primeiras temporadas. Por isto, quando a segunda metade saiu, já não estava tão animado para assistir. Mas puta que pariu, agora sim Vikings disse a que veio.
O contraste entre as duas partes da temporada é gritante. Já no primeiro episódio eu fiquei curioso, e com o avanço dos acontecimentos eu fui ficando cada vez mais viciado. Se a quarta temporada de Vikings tivesse tido somente os dez últimos episódios, seria de longe a melhor da série. E aí é que está a explicação da minha nota de 4 Lelecos – a primeira parte é nota 3 e a segunda nota 5. Por isso, fazendo a média, dá o total de 4. Incrível. Sou de humanas mas pelo menos essa conta eu sei fazer
Além de tudo, a segunda metade possui um episódio que é considerado por muitos o melhor de toda a série. Pra mim, não sei se chega a ser o melhooor, mas de fato é o mais impactante. Toda a simbologia do capítulo ajuda muito, e quando o terminei fiquei com um misto de emoções no peito.
Agora, o principal mérito da Parte 2 da quarta temporada: os personagens. Sim, pode comemorar! A partir dali temos personagens realmente interessantes como protagonistas. Pra falar sobre isso, aqui vai um pequeno spoiler que na verdade nem é um spoiler, sendo que a série faz isso desde o começo. No episódio 10, há uma passagem de tempo bem grande, ao ponto dos filhos de Ragnar e Aslaug terem crescido, aqueles que a gente nem se preocupou em decorar o nome: Ubbe, Sigurd, Hvitserk e Ivar.
O destaque maior vai para o filho mais novo, o desossado Ivar. Com um potencial gigante, pra mim ele foi o melhor personagem, mesmo tendo aparecido em somente 10 episódios. Fiquei entre ele e Bjorn, pelo fato do último ter sido um dos únicos pontos fortes da Parte 1 da temporada. Porém, mesmo em seu melhor momento Bjorn não foi tão bom quanto o polêmico e controverso Ivar.
Por último, a temporada tem um desfecho digno de Vikings. Infelizmente a quinta temporada também já foi confirmada com 20 episódios, mas nos resta esperar que ela siga a linha da Parte 2, e não da fraca Parte 1 desta dúbia quarta temporada.

 

Obs.: eu sei que eu disse que com certeza daria pitacos depois do Especial de 1 Ano, mas infelizmente todos os meus professores de faculdade decidiram passar infinitos trabalhos, um seguido do outro. Por isso, peço desculpas, e vou tentar postar mais nesta próxima semana, já que estarei mais livre.
Beijos, meus lindos.

 

~ OBSERVAÇÕES SPOILENTAS: NÃO LEIA A NÃO SER QUE JÁ TENHA VISTO A TEMPORADA INTEIRA. O AVISO ESTÁ DADO ~

 

  • Pra quem já conhecia um pouco a história do Ragnar, já meio que esperava o que ia acontecer. Mas ver um dos personagens mais fodas de todas as séries morrer daquele jeito doeu demais :((((((
  • Menção honrosa às cenas finais de Ecbert e Ragnar. Puta merda, fiquei arrepiado com os diálogos dos dois.
  • E falando no Rei de Wessex, seu ciclo se encerrou e ele teve uma boa morte. Deixará saudades :/
  • Helga também fará falta :'(
  • Tá todo mundo morrendo nessa porra, pqp. Pirei na maturidade da série.
  • Descobrir que as atrizes que fazem a Helga e a Torvi na vida real são irmãs e filhas do produtor é algo muito legal, mano.
  • Tchau, Rei Aelle, já foi tarde.
  • Considerações sobre os filhos de Ragnar e Aslaug:
    Ubbe – como disse meu irmão, lembra muito a aparência do Quinn de Dexter. Em relação à personalidade me deixou meio dividido, tinha hora que eu gostava dele e em outros momentos não suportava.
    Hvitserk – não sou capaz de opinar.
    Sigurd – não curtia muito ele, mas não queria que tivesse morrido.
    Ivar – este sim divide opiniões. Apesar de ser um autêntico fdp manipulador, ainda assim nos simpatizamos e torcemos por ele. O personagem só tem a evoluir e o ator fez um belíssimo trabalho até então.
  • Tchau, Rainha Aslaug, já foi tarde.
  • Lagertha sendo Lagertha. Bem iludido o Earl Kalf que achava que sua traição passaria despercebida.
  • Só um personagem foi mais iludido que Kalf: Magnus. O moleque foi de filho do Ragnar a um menino qualquer, tadinho.
  • Rollo, se decida. Eu tenho que saber se te amo ou te odeio.
  • Bjorn fazendo aquele cosplay básico de Leonardo DiCaprio.
  • Ragnar zé droguinha foi tão zzzzz, não senti nenhuma pena quando ele afogou a chinesinha lá.
  • O Floki é outro que eu nunca consigo decidir o que sinto por ele. Vikings é mestre em fazer isso com seus personagens, né.
  • Estou de olho em vocês, irmãos Harald e Halfdan. Estou de olho.
  • Henrique VIII em Vikings. Agora a porra vai ficar séria.

 

~ FIM DAS OBSERVAÇÕES SPOILENTAS. A PARTIR DAQUI PODE FICAR DE BOA SE VOCÊ AINDA NÃO VIU ~

 

+ Melhor personagem: Ivar
Mesmo com tanto a evoluir, o cara conseguiu ser o melhor da temporada com 10 episódios a menos. Tem que respeitar.

Apenas o retrato de um homem controlado e equilibrado

+ Melhor episódio: S04E15 (“All His Angels”)
Que episodiozão da porra. Preparem-se.

Ragnar em sua missão de se transformar no Gandalf

 

Ei, você! Tudo joia? Pois é, eu também tô bem. E já que agora temos intimidade, comenta aí o que cê achou da temporada. Opiniões são sempre bem-vindas, e é importante lembrar que nos comentários spoilers estão liberados. Se você não quiser vê-los, corre logo pra assistir e depois volte aqui, beleza?