Séries

Sons of Anarchy: 2ª Temporada (2009)

• O Quarto Reich

Motos, armas, vilões racistas, assassinatos, protagonista de atitude, personagens diversos, conflitos internos e muito mais! Sons of Anarchy é um programa bem família que contém momentos inspiradores e nada violentos pra assistir com papai e mamãe sem nenhum problema! Pode confiar!
A segunda temporada de SoA se inicia com a nova ameaça de um grupo chamado Liga Americana Nacionalista, formado por nada mais nada menos que uns bostinhas nazistas (sim, em pleno século 2009). Os discípulos de Hitler começam avisando SAMCRO de que eles tomariam conta de Charming e ordenam o fechamento das atividades do grupo de motoqueiros.
É claro que SAMCRO não aceita, o que vai gerando uma treta muito grande ao longo dos episódios e que se torna o tema central da temporada: a ameaça da Liga liderada por Ethan Zobelle, um homem que usa sua inteligência e influência para frustrar os planos dos membros da nossa gangue de motoqueiros.
Além disso, a temporada abre espaço para um maior foco nas disputas ideológicas entre Clay (lixo) e Jax (luxo). Os dois travam batalhas constantes, dividindo o grupo e provocando altas discussões. Acho que, resumindo, a história aborda principalmente estes dois lados, o que não quer dizer que não existam outras tramas paralelas, como a volta da Agente Stahl.
Mais irritante e inconveniente que nunca, Stahl continua na sua caça à SAMCRO, só que desta vez tenta usá-los para derrotar um outro alvo maior: o IRA, aquela banda de rock brasileira um grupo militar irlandês que controla uma grande parcela do mercado de armas. Para isto, como sempre, ela abusa da falta de escrúpulos e não tá nem aí para as consequências.
{Olha, eu não sei porque tô escrevendo mais informalmente hoje, cheio das piadinhas – acho que é porque estou bem-humorado mesmo. E também pode ser pelo fato de eu ter assistido à esta temporada há um tempinho e ter que enrolar um pouco, risos.}
Voltando ao que interessa, esta temporada é bem superior à primeira. Não que eu não tenha gostado da primeira, pois quem leu minha outra “crítica” sabe que eu curti bastante mas achei meio lenta, e aqui na segunda já não há este problema. Logo no primeiro episódio as coisas vão acontecendo rapidamente e o capítulo se encerra em um momento de choque e revolta.
Fora o ritmo da trama, os personagens continuam sendo bem desenvolvidos, principalmente Jax e Gemma, dois dos melhores da temporada. O primeiro mostra seu lado mais humano e pacífico (mesmo estando em um grupo que comete crimes a todo instante) e mostra os primeiros sinais de que seria um ótimo líder; já Gemma revela seu lado forte e protetor, que já havia sido representado mas que aqui ganha mais destaque.
O vilão, Zobelle, também é um ponto forte. Em várias ocasiões passou a perna nos membros de SAMCRO, principalmente quando agiam sob as ordens de Clay, o qual não cansa de fazer merda atrás de merda. O BFF de Zobelle, AJ Weston (puta nome de rapper americano) também é um personagem interessante, manifestando todo o preconceito enraizado em tantas pessoas. Isso tudo sem falar dos outros, como Tig, Chibs, Opie, Bobby, Piney, Juice, Half Sack, Tara e tantos mais.
A temporada não é perfeita, claro. Contudo, sua evolução em relação à primeira é notável e digna de aplausos, ainda mais sustentada por uma trilha sonora que só posso definir como do caralho, que deixa cada cena ainda mais foda. Se você está procurando por uma boa música, seus problemas acabaram: simplesmente assista Sons of Anarchy e se deleite.
O último episódio acaba no clássico cliffhanger, um desfecho que nos deixa ansiosos pela próxima temporada. Por isso liguem os motores e preparem-se para a continuação das aventuras insanas do garoto Jax Teller.

 

~ OBSERVAÇÕES SPOILENTAS: NÃO LEIA A NÃO SER QUE JÁ TENHA VISTO A TEMPORADA INTEIRA. O AVISO ESTÁ DADO ~

 

  • Quando a Gemma foi estuprada, fiquei espumando e torcendo pra ela contar pro Clay e pro Jax o que tinha acontecido, pra que os dois buscassem vingança; porém, o que ela fez foi ainda mais foda.
  • Tara enfim abrindo as asinhas.
  • Aquela cena do Tig e do Half-Sack loucos na droga foi sensacional, haha
  • E por falar no Half-Sack, R.I.P 🙁
  • Irlandês fdp, ninguém rouba o filho do Jax Teller e sai ileso, pode esperar.
  • Aquela Stahl é muito nojenta, pqp.
  • Jurei que o Opie ia meter o tiro na cara do Tig quando ele revelou ter sido o assassino da Donna.
  • Zobelle não morreu (o que eu achei foda por ter fugido da conclusão óbvia), mas foi um alívio o parceiro dele ter encontrado seu fim.
  • Unser eternamente na friendzone.
  • “Jimmy O” parece o nome de um integrante de alguma banda de rock alternativo qualquer.
  • Porradas entre Jax e Clay: gostamos.

 

~ FIM DAS OBSERVAÇÕES SPOILENTAS. A PARTIR DAQUI PODE FICAR DE BOA SE VOCÊ AINDA NÃO VIU ~

 

+ Melhor personagem: Gemma Teller Morrow
Uma mulher poderosa (me recuso a usar a palavra “empoderada”) e de personalidade forte, Gemma brilha com suas escolhas.

Gemma e sua pupila

+ Melhor episódio: S02E10 (“Balm”)
Uma montanha russa de emoções, fiquei em dúvida entre este e a season finale, mas acabei achando “Balm” levemente superior por motivos de gosto pessoal.

Jax e sua Tara
Jax e sua Tara

 

Ei, você! Tudo joia? Pois é, eu também tô bem. E já que agora temos intimidade, comenta aí o que cê achou da temporada. Opiniões são sempre bem-vindas, e é importante lembrar que nos comentários spoilers estão liberados. Se você não quiser vê-los, corre logo pra assistir e depois volte aqui, beleza?