Filmes

MCULeleco #18 – Pantera Negra (2018)

• Wakanda pra sempre

Há algumas semanas, na minha maratona para o Oscar que fiz lá no Instagram do Pitacos do Leleco, fiz uma pequena crítica sobre Pantera Negra. Vou escrever mais detalhadamente aqui, mas gostaria de reaproveitar a mesma introdução que coloquei lá. Bom, no meu espaço de homem branco, representatividade nunca teve tanto peso assim. Super-heróis da minha própria cor eram comuns pra mim, eu não tinha nenhuma ressalva a fazer. Por que deveria me importar com isso? Pois é. Nunca nem levei essas coisas em conta, porque elas sempre foram assim. Homem de Ferro, Capitão América, Homem-Aranha, Thor, Batman, Super-Homem e tantos outros são brancos, então é o que sempre fez sentido. Se os personagens foram criados assim, não havia porque mexer neles. Eu nunca tinha me colocado no lugar de outras pessoas. Nunca tinha parado pra pensar no quão excluído um garoto igual a mim, mas de pele negra, poderia se sentir. E essa é a principal razão pela qual Pantera Negra é tão importante.

 

Sinopse

Um aviso antes de começar: inevitavelmente terei que falar sobre um acontecimento importante de Capitão América: Guerra Civil, então se por acaso você tá aqui sem ter visto o filme citado, saiba que estarei soltando spoilers do mesmo. Bom, vamos lá.
Na embaixada de Wakanda, o Rei T’Chaka (John Kani) foi morto em uma explosão causada pelo Barão Zemo. Enfurecido, seu filho T’Challa (Chadwick Boseman) jurou vingança contra os responsáveis e conseguiu capturar o vilão. Agora, porém, ele precisa arcar com o fato de que tem uma coroa na cabeça dele, não somente uma máscara de pantera. De volta ao seu país, ele vai em busca de completar sua consolidação no trono, tendo como primeiro objetivo oficial trazer à justiça o infame Ulysses Klaue (Andy Serkis, desta vez como humano), o único estrangeiro a pisar em Wakanda e sair vivo de lá. Acontece que, pro resto do mundo, Wakanda é uma das mais pobres nações do planeta. A verdade, no entanto, é bem diferente. Devido a uma imensa quantidade de vibranium, Wakanda é na realidade o lugar mais rico da Terra, mas ele permanece escondido da humanidade. Isso tudo gera muita treta, pois Klaue não está sozinho em sua empreitada de conseguir mais daquele metal. O jovem Erik Stevens/Killmonger (Michael B. Jordan) se junta a ele, mas com motivações bem diferentes.

As estatuetas de Melhor Figurino e Melhor Direção de Arte no Oscar foram bem merecidas, como se pode ver

Crítica

Pantera Negra é sem dúvidas um dos melhores filmes da Marvel. Pra mim, está um passo atrás de longas como Os Vingadores, Guardiões da Galáxia Vingadores: Guerra Infinita, mas fica na mesma prateleira de Homem-Aranha: De Volta ao Lar, Vingadores: Era de Ultron e a trilogia do Capitão. Ele traz uma das melhores histórias de origem e o universo mais bem construído do MCU. Sério, Wakanda é foda pra caralho. Colorido e rico em cultura, desde as construções até as roupas dos habitantes, o lugar é um deleite para os olhos. A trilha sonora fantástica – e vencedora do Oscar, vale lembrar – cria uma identidade própria e dita o ritmo da trama. Tudo isso já é incrível por si só, mas a maior qualidade do roteiro, por incrível que pareça, está na realidade crua do vilão: Killmonger.
Não é novidade que a Marvel não é muito de acertar a mão nos antagonistas. Em Killmonger, no entanto, ela acertou e acertou muito. A sua motivação é tão forte que faz a gente se identificar com ele e – por que não? – torcer para seu sucesso em algumas partes. Afinal, quer um estímulo maior para a revolta do que o racismo institucionalizado no mundo, sabendo que tem gente com capacidade pra ajudar? Pois é. Além de Killmonger, Pantera Negra traz também ótimos personagens de apoio, como Shuri (Letitia Wright), a divertida e genial irmã de T’Challa, e Okoye (Danai Gurira), uma implacável general. Ah, vale ressaltar que as mulheres são uma das melhores coisas do filme, donas de personalidades singulares. A talentosa Lupita Nyong’o também está presente como Nakia, mas sua personagem ficou um pouco apagada. Angela Bassett e Forrest Whitaker estão discretos, mas, assim como Daniel Kaluuya, de Corra!, cumprem seus papéis. O Agente Everett Ross (Martin Freeman) é uma boa surpresa, mas deixo registrado que ele não tem parentesco com o General Ross de O Incrível Hulk Capitão América: Guerra Civil. O personagem de Andy Serkis, por outro lado, ficou meio forçado e não me agradou tanto, assim como a batalha final da obra, que é meio sem graça diante do contexto geral. Assistindo pela segunda vez, eu gostei um pouco mais dela, mas ainda fica um pouco pra trás.

Modo stealth ativado

Veredito

O filme é incrível por trazer um universo rico como o de Wakanda, uma trilha sonora praticamente impecável (com a exceção de uma sequência de perseguição na Coreia do Sul), e personagens de grande destaque. Contudo, o diretor Ryan Coogler falha em algumas escolhas de narrativa, como dar muito tempo de tela para Andy Serkis em vez de investir mais em Michael B. Jordan e não aproveitar tão bem a figura de Lupita. De qualquer forma, não dá pra negar que Pantera Negra é excelente.

Só imaginem a controvérsia se tivessem pegado o nome original dele nos quadrinhos: Homem-Gorila

 

Aviso: Tem duas cenas pós-créditos.

 

{Nota: caso eu tenha usado algum termo desconhecido para vocês, meus queridos e queridas leitoras, não hesitem em acessar esse post aqui, ó: https://pitacosdoleleco.com.br/2017/07/11/glossario-do-leleco/}

{Nota nº 2: quer conhecer melhor a história do blog e os critérios utilizados? Seus problemas acabaram!! É fácil, só acessar esse link: https://pitacosdoleleco.com.br/2017/09/16/wiki-do-leleco/}

 

~ OBSERVAÇÕES SPOILENTAS: NÃO LEIA A NÃO SER QUE JÁ TENHA VISTO O FILME. O AVISO ESTÁ DADO ~

 

  • Vou contar uma heresia pra vocês: meu irmão mais novo não gosta do Killmonger porque acha a interpretação do Michael B. Jordan meio exagerada. O único momento em que achei que ele realmente ficou “bravo” demais foi naquela cena no trono, poderia ter abrandado um pouco a expressão. E o que dizer das frases dele, em especial as de abertura e de desfecho? “Como você acha que seus ancestrais conseguiram os objetos? Acha que pagaram um preço justo? Ou que eles tiraram de nós, como tudo o que querem?” e “Então me enterre no oceano com meus ancestrais, que pularam de navios pois sabiam que a morte era melhor do que a escravidão”. Aaaaaah.
  • Eu exijo que a Shuri me mande no zap o vídeo do Pantera sendo jogado pra trás por sua própria armadura. Pra ontem.
  • Okoye e W’Kabi poderiam até formar um casalzão da porra, se esse último não tivesse sido traíra. Como punição, o Pantera mandou ele lá pra Netflix pra andar de bicicleta.
  • Agente Ross é a representação do estadunidense que se acha o rei do mundo. Por isso foi tão delicioso ver o M’Baku mandando uma série de “uuuuhs” pra ele.
  • O braço do Klaue, ou Garra Sônica, parecia proveniente do primeiro episódio da série nova de Doctor Who, quando os manequins ganham vida e se tornam do mal. Por um lado, é uma pena que ele tenha morrido, mas não acho que poderia ser aproveitado no futuro.
  • Vamo combinar que foi broxante pra caralho quando o Klaue falou “bota uma música porque nóis não tá num funeral kk” e começou a tocar um bagulho mó sem graça. O mínimo que eu esperava era que começasse a tocar alguma coisa semelhante a Tokyo Drift, mas da cultura sul-coreana.
  • Nakia pode até ter sido meio sem graça, mas já pararam pra pensar que ela salvou o planeta? Imagina se ela não tivesse pegado a flor do jardim lá. O T’Challa teria morrido, o Killmonger teria enviado as armas e o mundo teria entrado numa Terceira Guerra Mundial com vibranium. Pensa na merda.
  • #ApariçãodoStanLee: um apostador que, após perceber que T’Challa fez uma jogada vitoriosa no cassino, pega as fichas dele pra si, na frente do Agente Ross.
  • Ok, foi legal o discurso do T’Challa no final, mas ficou meio batido esse bagulho de “os sábios constroem pontes” e blá, blá, blá. Eu desprezo o Trump, mas já é a 849320840234ª vez que vejo estadunidenses criticando ele em todo o lugar, já encheu o saco um pouco.
  • Soldado Invernal, o nosso querido Bucky Barnes, saiu do gelo e agora tá pronto pra briga. Bom, ainda tá sem braço, mas cês entenderam, né.

 

~ FIM DAS OBSERVAÇÕES SPOILENTAS. A PARTIR DAQUI PODE FICAR DE BOA SE VOCÊ AINDA NÃO VIU ~

 

+ Melhor personagem: Erik Killmonger
Você sabe quando um vilão é foda quando ele não tem tanto tempo de tela, mas com o impulso de sua motivação se torna um dos melhores personagens do gênero.

O carinha do Black Mirror tá ali só de papagaio de pirata mesmo

+ Maior evolução: T’Challa
Em Guerra Civil, o Pantera foi introduzido como um homem sério movido pela vingança após a morte de seu pai. Em seu filme solo, ele ganha muitas camadas e, mesmo bem longe de ser a estrela de sua própria obra, evolui muito sua personalidade e seus ideais.

Meu sonho é andar pelas ruas da minha cidade trajado de Rei de Wakanda

+ Maior surpresa: Okoye (menção honrosa a Shuri)
O elenco todo tá bem entrosado, mas não dá pra assistir Pantera Negra e não se admirar com Okoye. Líder das Dora Milaje, um exército somente de mulheres, ela mistura perfeitamente o seu lado gentil com o implacável e leal. Deixo também meu joinha pra Shuri, pois não tem como assistir ao filme e não gostar dela.

Michonne subiu de nível

+ Maior decepção: Ulysses Klaue
Achei a atuação de Andy Serkis caricata demais pro meu gosto. Não chega a ser um personagem ruim, mas parece que ele destoou do restante do filme. Pra minha surpresa, vi que boa parte dos fãs gostou dele, então acho que tô um tanto quanto sozinho nessa.

Qual capítulo de O Hobbit é este?

 

Ei, você! Tudo joia? Pois é, eu também tô bem. E já que agora temos intimidade, comenta aí o que cê achou da temporada. Opiniões são sempre bem-vindas, e é importante lembrar que nos comentários spoilers estão liberados. Se você não quiser vê-los, corre logo pra assistir e depois volte aqui, beleza?