Séries

Sons of Anarchy: 3ª Temporada (2010)

• O número da (im)perfeição

A maldição das terceiras temporadas continua.
Não sei o que acontece com algumas séries. Acho que deve ter alguma praga lançada por uma entidade que decreta problemas neste estágio. Em Dexter foi assim, Arrow, Supernatural, Prison Break também, todas se tornaram exemplos desta maldição tão curiosa. É como se fosse aquele negócio dos cantores que morreram aos 27 anos. E inclusive 27 é múltiplo de 3, tá tudo interligado.
A terceira temporada de Sons of Anarchy é considerada pela maioria dos fãs como a pior da série. Depois de uma boa primeira temporada e uma segunda melhor ainda, a seguinte cai bastante de produção, com tramas lentas e não tão interessantes assim.
É importante lembrar que no fim da segunda temporada Abel, o filho de Jax, foi sequestrado pelo inteligente Cameron Hayes. Era de se esperar que este arco seria o principal da temporada, que ele seria abordado freneticamente o tempo todo, mas infelizmente não é isto que acontece. Essa parte da história se arrasta intensamente, dividindo espaço com os conflitos de Jax consigo mesmo e as ameaças de Stahl ao clube.
Uma coisa devemos reconhecer. A melhor personagem da temporada é a irritante Stahl. Sim, você não leu errado. Pensa, quem foi a personagem mais marcante? A agente foi tão pedra no sapato e ardilosa que acabou sendo uma ótima vilã, mais ou menos como Shane em The Walking Dead. Jax, por causa de algumas ações nos últimos episódios, segue logo atrás na lista dos melhores.
Um destaque que meu amigo Daniel praticamente me obrigou a mencionar foi a música “Hey Hey, My My“, um ‘hino’, nas palavras dele. Concordo. E aproveito pra ressaltar mais uma vez a puta trilha sonora dessa fodendo série. Toda vez que eu fizer algum pitaco de Sons of Anarchy nunca deixarei de citar esta belezinha. Sério, fico imaginando eu viajando pelo Texas num carro antigo ou um trailer, com boas companhias do meu lado e a trilha sonora da série tocando. Sonho.
Voltando à série de fato, o roteiro trabalha muito os conflitos dos personagens. Jax e sua lealdade, Gemma e sua culpa, Clay e seu passado, todos eles ganham mais camadas, mas infelizmente nem todas são bem desenvolvidas, parecendo que esta temporada serviu mais como uma transição. Achei bem legal eles mostrarem a filial de SAMCRO na Irlanda, aquele arco foi agradável, mas as coisas demoraram demais pra acontecer.
Quando a série é boa, erros são facilmente perdoáveis. E Sons of Anarchy é uma série tão maravilhosa que ao me lembrar desta temporada, não tenho aquela memória ruim, somente um sentimento de que poderia ter sido melhor. Talvez eu esteja falando como um fanboy aqui, mas aí eu lembro que isto aqui não é um blog de críticas especializadas. Tô aqui justamente pra fugir disso.
3,5 Lelecos não é uma nota exatamente ruim, e me deixe explicar o porquê. Na verdade verdadeira a minha nota no geral seria 3 Lelecos. Porém, caí certinho no truque do criador Kurt Sutter, o qual foi deixar um final de temporada tão foda, mas tão foda que te faz esquecer todos os momentos mais ou menos que foram mostrados no resto da história. Um truque barato, pode ser, mas que de certa forma funciona um pouco na avaliação geral.
Por isso, dei 3 Lelecos para a temporada e um bônus de 0,5 para as reviravoltas dos últimos capítulos. Tô parecendo aqueles professores de 3° ano que inventam nota sei lá de onde pra passar um aluno ruim que não aguentam mais ver o rosto. Pode-se dizer isso, até porque Sons of Anarchy tem crédito demais comigo, e já adianto aqui que esta terceira temporada é um ponto fora da curva na série.
Ah! Um fato importante. Aqui contamos com a participação especial de ninguém mais, ninguém menos que Stephen King, o rei do terror. Sua ponta é curta, porém impagável, como um “limpador de vestígios”, digamos assim. Uma profissão bem digna.
Pior temporada, melhor season finale. E com mais esta definição do meu bródi Daniel, termino este pitaco enquanto escuto na minha cabeça “Dad’s Gonna Kill Me“, a música que meu primo tanto ama.

 

~ OBSERVAÇÕES SPOILENTAS: NÃO LEIA A NÃO SER QUE JÁ TENHA VISTO A TEMPORADA INTEIRA. O AVISO ESTÁ DADO ~

 

  • O dibre do Jax na Stahl foi espetacular, vai se foder. Eu já tava xingando todo mundo que eu conseguia e o cara vai lá e mita daquele jeito. Que homem.
  • Que morte inesperada a do Hale, caralho. Do nada o cara é atropelado daquele jeito.
  • E por falar em Hale, definitivamente não confio no irmão dele.
  • Nem é spoiler esta parte e nem sei por que tô colocando aqui, mas o sotaque irlandês é muito louco.
  • CHIBS RASGANDO O JIMMY, OPIE METRALHANDO A STAHL. QUE SATISFAÇÃO, ASPIRA.
  • Jax passou muito perto de se tornar um Lannister, coitado.
  • Tadinho do pai da Gemma, gente. Quase me fez ter simpatia por ela.
  • Salazar Sonserina tava muito revoltado com a vida, né.
  • Opie e Lyla são tão fofinhos juntos.
  • Não sei o que pensar daquele padre. Sinceramente não sei.
  • Tara e Gemma, parceiras no crime.
  • AAAAAAA STEPHEN KING É MUITO FODA KKK MELHOR PARTICIPAÇÃO ESPECIAL
  • Será que na próxima temporada descobriremos toda a história de John Teller?

 

~ FIM DAS OBSERVAÇÕES SPOILENTAS. A PARTIR DAQUI PODE FICAR DE BOA SE VOCÊ AINDA NÃO VIU ~

 

+ Melhor personagem: June Stahl
A melhor vilã da série até então, a agente me dava ódio toda vez que aparecia na tela. Ponto também para Jax Teller, com uma atuação excelente de Charlie Hunnam.

Olha a cara dessa otária

+ Melhor episódio: S03E13 (“NS”)
Que desfecho foda. Mano, que desfecho foda.

Minha cara durante 80% da temporada

 

Ei, você! Tudo joia? Pois é, eu também tô bem. E já que agora temos intimidade, comenta aí o que cê achou da temporada. Opiniões são sempre bem-vindas, e é importante lembrar que nos comentários spoilers estão liberados. Se você não quiser vê-los, corre logo pra assistir e depois volte aqui, beleza?