Séries

Dexter: 3ª Temporada (2008)

• Parceiros no crime

Tan-tan dan, tan-tan dan, tan-tandan, tan-tandan, tan-tandan, tan-tandan, tan, tan, tan, tan, tan.
{Sim, aqui acima temos a transcrição da música de abertura de Dexter}

Já acompanhamos anteriormente assassinos sorveteiros, incendiárias psicopatas e um policial explosivo como antagonistas desta série maravilhosa. Agora temos a oportunidade de conhecer mais dois em uma única temporada. Deve ser muito bom, né? A resposta infelizmente é meh.
Nosso amável Dexter Morgan começa a temporada ao seu maior estilo, ou seja, matando alguém. Contudo, pela primeira vez em sua história sangrenta, ele acaba matando alguém fora do Código de Harry por causa de certas complicações do momento. Claro que ele se sente um pouco culpado com aquilo, mas as coisas tomam uma proporção bem maior quando Dexter descobre que sua vítima havia sido Oscar Prado, o irmão mais novo de um influente advogado (notem que eu disse advogado, e não doutor), Miguel Prado, e de um tenente valentão, Ramon Prado.
Por ironia do destino e resumindo a história pra eu terminar logo essa sinopse, Dexter acaba ficando amigo de Miguel, interpretado pelo ator Jimmy Smits – o Nero Padilla de Sons of Anarchy e o Bail Organa de Star Wars. Apesar de Miguel ser um cara bem enjoado e um personagem desagradável, a sua estranha relação com Dexter merece destaque.
A verdade é que Dexter Morgan não é exatamente um cara sociável, como todos nós já sabemos. Justamente por isso que é tão legal ver seus esforços em estabelecer uma vida normal com Rita, a garota da voz mansa, assim como com Astor e Cody, as crianças fofinhas. Mas voltemos ao Miguel. Até então ainda não tínhamos visto o protagonista tentar estabelecer uma relação de amizade mais forte com alguém. E inesperadamente o advogado Prado se torna um parça dele.
Este companheirismo é muito bem trabalhado durante a temporada inteira. Porém, claro que não é o único tema, né. Como de praxe, temos um novo serial killer no pedaço. Sério, depois de Dexter acho que não tenho muita vontade de ir pra Miami. Que cidade amaldiçoada, mano.
O assassino da vez é Skinner (Esfolador), o vilão mais bosta de todos. Sem um pingo de carisma e presença, praticamente em nenhum momento nos sentimos ameaçados por ele, como aconteceu com o icônico Ice Truck Killer. O único momento realmente interessante dele é o do último episódio, mas ainda assim é pouco pra quem se acostumou com Brian Moser e Lyla.
Fazendo o contraste com um personagem tedioso, temos ela. A formidável. A espirituosa. A impetuosa. A policial com o linguajar mais gentil de todos. Abram alas para Debraaaaa Morgaaaaan (leia esta parte com a voz do apresentador de WWE). Enquanto Dexter foi o melhor personagem das duas primeiras temporadas, nesta Deb rouba a cena, mesmo tendo menos tempo de tela, obviamente.
Desde os primeiros episódios acho que praticamente todo mundo gostou dela logo de cara. Seu jeito bem “foda-se” de falar, aliado à sua personalidade forte, tornam Deb uma personagem marcante, sem dúvidas uma de minhas favoritas. Também gosto muito de alguns personagens de apoio, como os divertidos Batista e Masuka. Também temos caras novas, como Quinn e Anton, que acabam tendo um papel importante no núcleo de Deb.
A terceira temporada de Dexter é de fato bem fria, se comparada às duas anteriores. Realmente o maior foco parece ser os relacionamentos de Dexter, tanto os de amizade quanto os familiares, com Rita e as crianças. Aliás, nosso psicopata favorito avança muito nesse sentido, mas não vou dizer nenhum spoiler aqui porque definitivamente não sou um cuzão.
Apesar de contar com um vilão mais ou menos, uma história não tão emocionante e um Dexter desnorteado e meio grilado com o Código de Harry, a temporada tem sim várias qualidades. Além dos já mencionados relacionamentos do protagonista e o brilho dos personagens, a trama é fechadinha e conta com vários momentos em que ficamos tipo “eeeita“.
Acho que a maioria dos fãs concorda que Dexter tem a metade boa e a metade ruim, sendo que depois da quarta temporada a série cai muito. A terceira pode ser considerada a parte ruim da metade boa, mas ainda assim possui seus momentos. Aqueles que já viram sabem do que tô falando, mas se você que tá lendo agora ainda não assistiu, devo dizer que a queda desta temporada é como se fosse a calma antes da tempestade: se prepare porque a próxima vai te fazer ficar maluco.

 

~ OBSERVAÇÕES SPOILENTAS: NÃO LEIA A NÃO SER QUE JÁ TENHA VISTO A TEMPORADA INTEIRA. O AVISO ESTÁ DADO ~

 

  • Eu é que não queria ser um Prado. Dois morreram e o outro chegou a ser preso. Eu, hein.
  • Único momento legal do Skinner: sua luta com o Dexter. E olha que só foi boa por causa do próprio Dexter, que quebrou os próprios dedos pra depois quebrar o pescoço do vilão e jogá-lo em cima de um carro da polícia. Go, psycho!
  • Coitada da Ellen Wolf. Ela era meio chata, mas coitada mesmo assim.
  • E ah, vocês também sentiram um ar meio romântico entre ela e a LaGuerta? Porque tava beeeem suspeito.
  • Miguel Prado juvenas achando que enganaria o Dexter por muito tempo. O cara é legista, lógico que ele iria descobrir a parada do sangue bovino. Ai, esses principiantes…
  • Não sabia que o John Diggle era informante da polícia antes de virar segurança do Oliver Queen. Curioso.
  • Rita e Dexter casarammmmmmm, que fofinho, gente. E ainda tem o bebê à caminho. Que amores.
  • Freebo é um puta apelido dos anos 80 né. Qq eu tô falando, gente.
  • Apesar de tudo, eu gostaria de ver o Dexter com um parceiro assim. Talvez não tão cúmplice quanto o Miguel, mas sei lá, uma coisa nesse sentido.
  • Deb detetive, aeho. Ela merece.

 

~ FIM DAS OBSERVAÇÕES SPOILENTAS. A PARTIR DAQUI PODE FICAR DE BOA SE VOCÊ AINDA NÃO VIU ~

 

+ Melhor personagem: Debra Morgan
Ela tá aqui porque ela merece, porra. Desculpem-me o palavreado.

Got me looking so crazy right now

+ Melhor episódio: S03E11 (“I Had a Dream”)
Com momentos divertidos e intensos, o penúltimo episódio da temporada vale muito a pena ver.

Skinner assoviando Lynyrd Skynyrd enquanto observa um pacote de Skiny

 

Ei, você! Tudo joia? Pois é, eu também tô bem. E já que agora temos intimidade, comenta aí o que cê achou do filme. Opiniões são sempre bem-vindas, e é importante lembrar que nos comentários spoilers estão liberados. Se você não quiser vê-los, corre logo pra assistir e depois volte aqui, beleza?